Curso de Conselheiros do Luto

marca ®egistada do Espaço do Luto

 

 

 

   

 temas

módulos lições  
             
      o Luto: porque o fazemos? 1    
        O Luto é inevitável?   1 ver datas
        Os afetos: alicerce da existência?     em Agenda
        A essência da vida: onde a encontrar?   2  
        O corpo e o sexo condicionam o luto?   3  
        Qual a origem dos comportamentos do luto?   4  
               
 

Agenda

Inscrição

Pagamento

    o Luto: como o fazemos? 2-3    
        O Luto sadio: como se vivencia?   5-6 valor de cada módulo
€ 75,00
        Modelo de Vivências do Luto Sadio   7-11
        Clepsidra: uma alegoria do luto   12

 

             
        o Luto: como o apoiamos? 4-5    

 

        O que exige a pessoa em luto?   13  
          Como falar com a pessoa em luto?   14  
          Como realizar o Apoio ao Luto?   15-20  
                 
        o Luto: práticas de Apoio ao Luto 6    
          Sessão individual   21-22  
          Grupo de Apoio   23  
          Supervisão   24  
                 
                 
          clique nos temas para ver mais detalhes      

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

o Luto: porque o fazemos?

 

    O Luto é inevitável?

        É indispensável fazer o luto?

        Há um luto em português?

 

    Os afetos: alicerce da existência?

        Uma viagem à construção dos laços afetivos

             A necessidade de relacionamentos

             A afeição mútua 

        Que relacionamentos estabelecemos?

        Quais os relacionamentos da essência da vida?

             Laço Afetivo de Proximidade Filial

             Laço Afetivo de Proximidade Parental

             Laço Afetivo Chegado Conjugal

              Paixão

                Intimidade

                Compromisso

        Qual a importância da amizade?

            Como nos relacionamos com os amigos?

            Há limites para a amizade?

                É possível a amizade nos laços familiares?

        Onde se originam os laços afetivos?

       A singularidade dos laços e a intimidade da desconstrução  

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    A essência da vida: onde a encontrar?

        O que somos?

            O como e o porquê da existência?

            Dimensão visível e submersa do ser

        A essência da vida: finalidade ou fatalidade?

        A perpetuidade: imperativo ou capricho?

            Reproduzir

                O legado do caráter

                A herança do conhecimento

                Legado e herança: repetição ou acumulação?

            Sobreviver

                Sobrevivência e subsistência

                Triangulação da sobrevivência

                Interação social

                A fala: a arma do homem sábio

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    O corpo e o sexo condicionam o luto?

        Como vemos o corpo?

            Coerência na multiplicidade

        A mulher e o homem: que diferenças?

            Dois sexos, dois legados?

            O homem e a mulher no perpetuar

            Fertilizar e monitorizar a humanidade

                A gravidez: nove, dezoito ou oitenta e quatro meses?

            O homem e a mulher na vivência do luto

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    Qual a origem  dos comportamentos do luto?

        Quando associamos emoções  a expectativas?

            Emoções e Sentimentos

            Expectativas emocionais

            Expectativas Emocionais e Emoções

        O que esperamos de quem amamos?

            Expectativas emocionais no laço afetivo filial

            Expectativas emocionais no laço afetivo parental

            Expectativas emocionais no laço afetivo chegado

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

o Luto como o fazemos?

 

    O Luto sadio: como se vivencia?

        Como comprovo a perda?

            A perda é irreversível?

            O que perdi, realmente?

            Que competências possuo para lidar com o que perdi?

            Como é o novo quotidiano sem o que perdi?

        Choro a pessoa amada perdida ou o que perdi de mim com a sua ausência?

        Quais as caraterísticas do luto?

            Percurso gradual de vivências

            Sentido único

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    Modelo de Vivências do Luto Sadio

        Pressupostos do Modelo Vivencial

            Como reagimos às perdas?

                O pesar

                O luto

                O nojo

            Objetivo e fundamentos científicos

            Utensílio de autoajuda e de apoio informal e institucional

        As Vivências do Luto

        Vivências de Contraste

            Vivências de Sujeição à Perda

            Vivências de Assimilação da Perda

        Vivências do Processo

            Vivência Global do Choque

                Vivências Específicas do Negar, Verificar, Torpor e Ânimo

            Vivência Global da Descrença

                Vivências Específicas da Busca do Ente Querido

                Vivência Específica do Desencontro

                Vivências de Transição, da Frustração e do Desespero

            Vivência Global do Reconhecimento

                Vivências Específicas da Raiva, Tristeza, Culpa e Depressão

                Vivências Intermédias da Esperança e do Anseio

                Vivências de Assimilação do Reconhecimento

            Vivência Global da Superação

                Todos as perdas são superáveis?

                Vivência Específica da Aceitação

 

                Vivência Específica da Conformação

                    Perda não expectável

 

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    Clepsidra: uma alegoria do luto

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

o Luto: como o apoiamos?

 

    O que exige a pessoa em luto?

       Triangulação do Apoio ao Luto

             Presença

             Escuta 

             Tolerância

        Como corresponder às exigências da pessoa em luto?

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    Como falar com a pessoa em luto?

        O que não dizer?

        O que é possível dizer?

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    Como realizar o Apoio ao Luto?

        Qual é o objetivo?

        Quem o solicita?

        Quando é realizado?

            O apoio continuado

            O apoio em crise

        Onde deve ser realizado?

        Quem o realiza?

            O Conselheiro do Luto

        Como é realizado?

            Proximidade territorial e saúde pública

            Distanciamento Humano

            Linguagem

        Tipos de Apoio ao Luto

            Sessão de apoio ao luto

                Identificação do enlutado e caraterização do luto

                Receção ao enlutado

                Partilha do luto

                Conclusão

                Dossiê da Pessoa em luto

                    formulário a) Identificação da Pessoa em Luto

                    formulário b) Informações complementares sobre a Pessoa em Luto

                    formulário c) Registo das Vivências de Contraste partilhadas na Sessão de Apoio.

                    formulário d) Contextualização e acompanhamento da Pessoa em Luto

                Conduta do Conselheiro do Luto

                Supervisão

            Apoio ao Luto em grupo

                Grupo de Partilha

                Grupo de Entreajuda

                Acesso ao grupo de apoio ao Luto

                Princípios do grupo

                Direitos e deveres do participante

                Funcionamento do grupo

                Dinâmica dos encontros

                Análise dos encontros e supervisão

                Temas dos encontros

                    1º encontro  - O que somos! Quem sou! Eis quem perdi! Eis o que espero!

                    2º encontro  - Eis a história do meu luto!...

                    encontro  - Será que vou voltar a bem viver?

                    4º encontro  - Estou em desassossego. O que busco?

                    5º encontro  - É um assunto de que não se fala!...

                    6º encontro  - Sinto uma tristeza aflitiva. Irá ser sempre assim?

                    7º encontro  - Sinto uma raiva feroz!...

                    8º encontro  - O culpado sou eu!...

                    9º encontro  - Sinto-me deprimido. Estou doente?

                    10º encontro - O que perdi, realmente?

                    11º encontro - Aceito ou conformo-me com a perda?

                    12º encontro - Sinto-me em paz!...

                Dossiê do Grupo de Apoio ao Luto

                    formulário e) Registo do funcionamento e da partilha

              Supervisão

topo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Práticas de Apoio ao Luto

 

    Sessão individual e familiar

        Participação e Observação (“role-playing”)

        Preenchimento do Dossiê

        Supervisão

topo

    Grupo de Partilha/Entreajuda

        Participação e Observação (“role-playing”)

        Preenchimento do Dossiê

        Supervisão

topo